Blog sobre futebol, voltado para as mulheres

Posts marcados ‘Seleção’

Nunca houve um homem como Heleno

Hoje trago a vocês uma indicação de um livro sobre um ídolo do futebol brasileiro (ídolo absoluto do Botafogo na era pré Garrincha).

O nome do livro é “ Nunca houve um homem como Heleno”, que recentemente ganhou um filme, onde Heleno de Freitas é interpretador por Rodrigo Santoro.

A história de Heleno de Freitas é narrada pelo autor Marcos Eduardo Neves, que conta de forma simples, mas não menos interessante, as aventuras de Heleno dentro e fora de campo.

Em “Nunca houve um homem como Heleno”, o autor nos apresenta a vida desse craque, do seu gosto pela leitura, o seu temperamento irritadiço e que as vezes (muitas) o tiravam de campo, por sua paixão pela noite, rapaz de boa aparência conquistava muitas mulheres, seja por ser um ótimo dançarino, pelo seu charme ou simplesmente por ser um jogador de futebol famoso.

Antes de assistir o filme, é recomendado (e muito) que você leia o livro, que possuí uma riqueza de detalhes enorme, seja pela ditadura que se instaurava no Brasil ou pela guerra que levou alguns jogadores de futebol (como Geninho por exemplo) para a batalha.

Espero que vocês go

stem da sugestão e depois contem o que acharam do livro pelos comentário.

Até mais

@tiagosemh

@futesalto

Espanha lança moeda para comemorar o titulo mundial

Hoje ( mais conhecido como terça feira ) a moeda comemorativa do primeiro titulo mundial da Espanha começa a ser vendida no país. Trata-se de uma moeda de prata no valor de € 20, ou R$ 47 reais, a tiragem inicial é de 3 mil exemplares, o que agradará e muito os colecionadores.

Na parte da frente da moeda há um desenho de um jogador de futebol, o escudo da Espanha e a inscrição de campeões do mundo, na parte de trás além da frase “Espanha 2010” também há os retratos do rei Juan Carlos I e da rainha Sofia.

O titulo em questão é o primeiro da seleção da Espanha, que foi conquistado neste mesmo ano de 2010 na África do sul, em cima da seleção da Holanda. O gol foi marcado aos 11 minutos do segundo tempo da prorrogação por Iniesta.

A campanha da “Fúria”, como também é conhecida a Espanha, foi marcada por um tropeço inicial diante da Suíça, que acabou não se classificando para a próxima fase. Essa derrota acabou caindo com mais peso em cima do capitão, Iker Casillas, que namora a jornalista espanhola Sara Carbonero. Que acusavam a jornalista de tirar a concentração do goleiro durante a partida.

A Espanha conseguiu dar a volta por cima ao passar por seleções favoritas como Portugal e Alemanha e por final Holanda.

Um fato curioso é que a seleção espanhola nunca havia chego a uma final de copa do mundo, já que desde a troca do formato do mundial (32 seleções) ela nunca havia passado das quartas-de-final .

 

Brasil x Argentina = marketing?

As duas grandes estrelas do jogo

O título diz tudo sobre o post de hoje, e sobre o jogo de ontem (quarta-feira 17/11/10) a tarde entre essas duas seleções, que com certeza tem muita bagagem. Mas deveríamos nos perguntar, o que duas seleções sul-americanas estariam fazendo em Doha, Qatar? A organização deste jogo a meu ver não acrescenta em nada a grande história deste clássico, uma vez que, este jogo tem o mesmo intuito do jogo Inglaterra x Brasil, onde a seleção que naquela época comandada por Dunga venceu por 1×0. O jogo de ontem a tarde não parecia realmente ter aquela emoção ( não necessariamente pelo futebol apresentado ), não estava realmente com cara de Brasil x Argentina e sim de “apenas mais um jogo de futebol”.

E porque eu digo isso? É obvio e explicito a intenção do Qatar de usar esse grande clássico mundial como uma grande promoção para ganhar pontos para tentarem sediar a Copa do Mundo de 2022, além é claro da renda que o jogo em si trás pelos atletas que cada seleção possui.

O clássico contou com estrelas mundiais, como Messi, Ronaldinho, Robinho, Di Maria, Higuain, Daniel Alves, entre outros.

O time do Brasil por ter um elenco mais jovem e por assim dizer “sem experiência”, não metia medo, por isso diria eu que no papel a Argentina tinha muito mais time do que o Brasil, porém, a Argentina possuía uma defesa que não é muito confiável, o que acabou por equilibrando bastante o jogo entre as duas seleções.

Depois da saída de Dunga e Cafu como capitães da seleção brasileira, não houve nenhum jogador que conseguisse organizar, acalmar e orientar o grupo de maneira satisfatória e sem a presença do zagueiro Lúcio, o Brasil não tinha um homem de referência em campo. Já a Argentina tinha um grupo mais experiente, em sua maioria jogadores que disputaram a Copa da África do Sul, tinham o homem que poderia e mudou a partida: MESSI.

A marcação em cima dela era praticamente perfeita, praticamente porque, em um lance de bobeira no meio-campo brasileiro depois de um lindo passe de letra de Lavezzi para Messi que passou por dois e chutou no contrapé de Victor, mais um lindo gol para a carreira de Messi.

O fator decisivo neste clássico realmente foi único: MESSI. Apesar do erro grotesco do Douglas, as duas seleções jogaram muito bem, principalmente no primeiro tempo. Só o que nos resta agora é  que o técnico do Brasil, Mano Menezes, consiga arrumar a seleção para o confronto contra a França no ano que vem.

@tiagosemh

@futesalto

As melhores seleções de todos os tempos – Brasil de 58 Parte 2

Confira a primeira parte deste post aqui

Semi-final

A próxima adversária do Brasil seria a forte seleção francesa, que vinha embalada de uma goleada em cima da Irlanda do Norte. Para se ter uma noção da força da seleção francesa, basta saber que ela terminou o campeonato no 3º lugar e o artilheiro da competição ( Just Fontaine ), além ter dois jogadores escolhidos para o All-Star Team ( Raymond Kopa e Just Fontaine ).

Porém, no dia do jogo, nem mesmo o mais convicto torcedor brasileiro teria apostado no resultado de 5×2 para o Brasil. Se todos ainda estavam impressionados com o desempenho do Brasil contra a União Soviética, desta vez, não conseguiam desgrudar os olhos do campo. Logo aos dois minutos de jogo ( assim como contra a União Soviética )Vavá abria o placar para o Brasil, mas sete minutos mais tarde Just Fontaine empatava o jogo (primeiro gol sofrido pelo Brasil e pelo goleiro Gilmar). Mais depois do gol de Didi, não houve chances para a França. No segundo tempo Pelé se consagrou ao marcar 3 vezes, a torcida ia ao delírio. Nem mesmo o segundo gol francês deu ânimo ao time.

NOVAMENTE O BRASIL ESTAVA EM UMA FINAL, E DESTA VEZ COM MELHORES CHANCES DE SER CAMPEÃ.

Final

A final da copa do mundo seria disputada contra a anfitriã, Suécia. A última barreira, mas nem por isso fácil de se bater, a Suécia fez uma boa campanha durante a Copa inteira, ganhando de México e Hungria e empatando com o País de Gales por 0x0. Além ter passar por cima da Alemanha Ocidental ( campeã da copa passada em cima da Hungria ).

Com toda essa trajetória, nada mais justo do que não subestimar os donos da casa, o Brasil veio basicamente o mesmo do jogo anterior contra a França, com apenas uma modificação (melhor dizendo duas, o Brasil tece de improvisar um uniforme azul, já que a Suécia tinha a preferência de uso do uniforme amarelo), entrara Djalma Santos no lugar do lateral-esquerdo De Sordi.

Depois do apito inicial… bem, depois do apito inicial tudo mais virou história. Depois de um começo de jogo onde ambas as partes apenas estudavam-se, a Suécia abriu o placar, fazendo o primeiro gol da partida, fato esse que não intimidou os craques brasileiros, começando por Garrincha, que logo em seguida obrigou o goleiro adversário a praticar uma grande defesa, depois Pelé que quase marcou aos 7 minutos.

Mas não havia o que os suecos pudessem fazer, depois de uma oportunidade perdida por Garrincha, o sempre matador e ágil Vavá se meteu entre a zaga e com muita raça empatava a partida. Deste momento em diante o Brasil já dominava a partida, Garrincha mesmo marcado por dois fazia o seu espetáculo e começava a penetrar a zaga adversária. A defesa brasileira estava impecável depois do empate, Bellini e Orlando eram os destaques, impedindo os avanços do ataque adversário. Garrincha depois de lindo lance onde se livros dos seus dois marcadores, cruza para Vavá de forma majestosa, que como sempre, NÃO PERDOAVA! Era o desempate da seleção brasileira, o Brasil conseguiu sair no primeiro tempo com a vantagem.

No segundo tempo aos 9 minutos, Pelé faria o gol ( que na minha opinião é o melhor dele, tanto pela importância, como pela jogada em si ) que praticamente matava a partida. Depois de receber um lindo passe de costas para a meta da Suécia, com o zagueiro Gustavsson correndo em sua direção para tentar tomar a bola, mata no peito a bola e sem pensar da um chapéu no zagueiro em direção ao gol, e sem ao menos deixar a bola pingar no chão num sem-pulo , manda para o gol da Suécia, marcando o terceiro gol brasileiro na partida, UM GOLAÇOOO!!! Sem dúvidas o gol mais bonito da Copa de 1958.

Depois disso Zagalo  marcaria o quarto gol brasileiro e a Suécia ainda esboçaria alguma reação com o seu segundo gol na partida, mas a partida era realmente dele, PELÉ! Faltando apenas 30 segundos para o termino da partida, Zagalo invadindo a área acha Pelé desmarcado e cruza para a mais nova estrela mundial do futebol marcar de cabeça e fechar com chave de ouro a atuação brasileira na Copa do mundo de 1958.

Ao termino da Copa, Didi foi eleito Bola de Ouro da Copa ( não é para menos com o futebol apresentado por esse maestro ), Pelé além de ficar com a bola e chuteira de prata foi eleito a revelação da Copa, sem mencionar que foi escolhido para o All-Star Team ( que contou com 6 brasileiro ).

O Brasil de 58 foi eleito até pelos grandes craques do Brasil da Copa de 70 ( creio eu que não só por eles, quem viu e quem ouve falar também deve ter a mesma opinião ) como a melhor seleção brasileira de todos os tempos.

Espero que tenham curtido o meu humilde relato, aparentemente eu acabei me empolgando e escrevi muito, mas quando se fala desta incrível seleção, palavras não bastam.

@tiagosemh

@futesalto

As melhores seleções de todos os tempos – Brasil de 58 Parte 1

Foto da final contra a Seleção da Suécia

Como disse, o meu intuito aqui é trazer um pouco sobre a história do futebol mundial, destacando as melhores seleções de todos os tempos, no post passado eu falei da excelente seleção da Hungria , hoje falarei da melhor seleção brasileira de todos os tempos ( individualmente falando ), espero que gostem.

A copa de 1958 foi marcada por muitas surpresas, por exemplo, a inscrição e classificação da União Soviética, a classificação de todas as nações do Reino Unido ( sendo elas, Inglaterra, Irlanda do Norte, País de Gales e Escócia ), a determinação da FIFA de que, nenhuma seleção se classificaria para a Copa sem antes ter disputado ao menos uma partida ( coisa que aconteceu nas Copas anteriores pela desistência de algumas seleções e acho que a maior surpresa desta edição, a eliminação nas eliminatórias da seleção Uruguaia, bicampeã do mundo e semi-finalista em 1954.

O objetivo da seleção brasileira de 1958 era apagar da memória dos brasileiros sua fraca atuação na copa passada e o vice-campeonato de 1950. Missão que no começo parecia mais difícil pelo simples fato do Brasil ter caido em uma chave com duas das favoritas para esta Copa ( Inglaterra e União Soviética ). Porém, esta Copa tinha um diferencial se comparado as duas últimas edições: Não havia um favorito absoluto, em 1954, a Hungria e em 1950, o Brasil, ou seja, bastava apenas ao Brasil ( e brasileiros ) confiar nos seus jogadores para enfrentar seus adversários como iguais.

O técnico Vicente Feola ( Técnico e eterno torcedor São Paulino ), foi o principal motivo para o Brasil conquistar a primeira ( de muitas que o Brasil conquistaria ), tanto pela escolha do esquema tático como pela escolha do elenco. A principal decisão, e talvez a mais sábia dentre tantas, foi a de levar o então menino Edson Arantes do Nascimento, mais conhecido como Pelé.

A seleção brasileira jogava no jogava com Zagallo atacando e voltando para marcar no meio-campo, que deu origem ao 4-3-3, esquema que fez com que o Brasil tivesse juntamente com a o País de Gales a melhor defesa do mundial, com apenas quatro gols sofridos. E na frente o trio que fez história Pelé – Garrincha – Vavá.

Grupo 4

Ao lado de Áustria, União Soviética e Inglaterra o Brasil fechava o tão temido grupo 4 ( como disse anteriormente, grupo que contava com dois favoritos ao título ).

O primeiro jogo foi com a fraca Áustria, sem Garrincha o time foi escalado no esquema 4-2-4. Como esperado o jogo correu sem surpresas, o Brasil venceu por 3 a 0, dois de Mazola ( 30m do 1º tempo e no finalzinho do 2º tempo ) e um  de Nilton Santos, vitória essa que encheu de esperanças o torcedor brasileiro.

No segundo jogo viria a primeira pedreira, a Inglaterra. O Brasil veio com a mesma formação do jogo anterior,a única mudança foi a entrada de Vavá  no lugar de Dida. Apesar do empate entre as duas seleções Vavá conseguiu se destacar e assim se tornar titular no time.

O que poderia ser considerado o jogo mais difícil do Brasil até então, estava cercado por desconfiança depois do empate contra a Inglaterra. Aquele futebol do primeiro jogo já não era mais o suficiente para convencer os torcedores, uma derrota poderia significar a desclassificação, já que a Inglaterra ainda jogaria contra a Áustria, bastando uma vitória ( caso o Brasil perdesse ) para se classificar.

Para o jogo contra a União Soviética o Brasil contou com modificações de peso para o elenco, o volante santista Zito, Pelé e Garrincha ( acompanhe o post sobre ele aqui ), entraram jogando nesta partida. Foi um espetáculo a parte a atuação da seleção brasileira neste jogo, o modo como aquele time jogava, a harmonia e o desempenho que mostravam deixaram todos boquiabertos. Zito e Didi comandavam o meio-campo, não demorando para abrir o placar do jogo, o primeiro gol saiu aos dois minutos do primeiro tempo e aos 20 do 2º, ambos gols do veloz atacante Vavá. A vitória sobre a União Soviética não só classificou o Brasil para a próxima fase como também fez com que a seleção fosse considerada uma das principais candidatas ao título desta copa.

Quarta-de-final

O próximo jogo seria contra a melhor defesa da Copa ( ao lado da brasileira ), a seleção do País de Gales. O Brasil entrou em campo com o mesmo time que jogou contra a União Soviética.

Um jogo muito difícil entre as duas melhores defesas do campeonato, só depois de 75 minutos de jogo ( 30 minutos do segundo tempo ), sai o tão esperado gol brasileiro e ainda mais pelos pés do moleque Pelé, um golaço, depois do passe de Didi ele domina no peito, passa do zagueiro com um toque sutil e depois chuta em direção ao gol. Pronto, ali saia o primeiro gol de Pelé em copas do mundo, o mundo começava a ver o futuro rei do futebol.

Esse jogo serviu como teste para o elenco brasileiro, principalmente para os mais novos, Pelé tornou-se titular da camisa 10 da seleção canarinho.

Pessoal o post acabou ficando maior do que eu esperava, então decidi dividi-lo em 2 partes, amanhã trarei a 2º e última parte ( juntamente com o post da minha amiga Josiane ).

Espero que tenham gostado até aqui, o que está por vir é muito mais emocionante. Abraços.

@tiagosemh

@futesalto

*UPDATE: Basta clicar para ler a segunda parte do texto

Divino, Ademir da Guia.

Um jogador que atuava com classe e habilidade! É assim que começo o post sobre Ademir da Guia. Muitas pessoas acham que o maior ídolo do Palmeiras é o goleiro Marcos, concordo que o goleiro é um dos ídolos Palmeirenses e que já teve momentos decisivos com o clube, mais tenho certeza que o maior ídolo de toda a historia do time é, o “Divino” que vestiu a camisa por mais ou menos 16 anos, e não é a toa que tem um busto de bronze nos jardins do estádio Palestra Itália.

Vamos relembrar os momentos mais marcantes da historia desse grande craque.

Os torcedores do Palmeiras só são capazes de ser unânimes em duas coisas na vida: o ódio ao Corinthians e no amor ao jogador que conquistou diversos títulos para time.

Ademir da Guia é filho do zagueiro brasileiro Domingos da Guia, chamado de “O Divino Mestre”, considerado um dos maiores zagueiros do futebol brasileiro. O clube que revelou o jogador foi o Bangu-RJ e em 1961 veio para a cidade de São Paulo jogar pelo Palmeiras.

Com Ademir da Guia e outros jogadores começava a ser formada a maior equipe da história do Palmeiras. A “Academia”, (apelido que foi dado às equipes que marcaram o clube nas décadas de 1960 e 1970). Como maestro, Ademir regia o meio campo ao lado de seu grande amigo Dudu. Costumava-se dizer que Ademir da Guia não corria em campo, mas desfilava tal era a elegância de suas passadas.

Os brasileiros falam bastante da era Pelé, mais o que poucos lembram é que em meio a essa “Era”, só o Palmeiras de Ademir conseguia beliscar títulos. Foi assim em 1963 e 1966. Quando o Santos perdeu fôlego, o Palmeiras se tornou o melhor time do Brasil.

Seu ápice ocorreu em 1972 onde conquistou diversos títulos pelo Verdão. Foi campeão Brasileiro e no mesmo ano eleito o melhor jogador da competição.

Em 16 anos, foram inúmeros títulos. Entre os mais importantes, 5 vezes campeão paulista (1963, 66, 72, 74 e 76), 2 vezes campeão do Robertăo (1967, 69), campeão da Taça Brasil (1967), Torneio Rio São Paulo (1965) 2 Campeonatos Brasileiros (1972 e 73).
Habilidoso, inteligente, possuía a virtude de manter a calma e a serenidade nas horas difíceis. Seu toque de bola era refinado e seu arremate preciso, embora preferisse dar a assistência em vez de fazer o gol.

Apesar de um enorme talento e diversas qualidades o jogador não teve grandes atuações pela Seleção Brasileira, atuou apenas 12 vezes. Quem presenciou seu estilo de jogar e hoje vê a atual seleção não acredita que um jogador de tal nível foi pouco aproveitado. Sua primeira chance apareceu apenas em 1965. Sob o comando de Vicente Feola, foi titular da seleção em 3 partidas amistosas (vitórias de 5 a 1 sobre a Bélgica e 2 a 1 sobre a Alemanha e empate em 0 a 0 contra a Argentina). Na Copa de 74, apesar de estar no auge de sua forma física e técnica, mesmo aos 33 anos, não ficou nem no banco de reservas em todas as partidas-exceto na disputa do terceiro lugar contra a Polônia. Apesar de não ter uma historia com a seleção Ademir garante que não é frustrado por não ter tido muitas chances e garante que isso fez com que ele se aprimorasse mais, a cada dia.

Ademir da Guia é o recordista de partidas com a camisa alviverde, com 901 jogos entre 1961 e 1977, e considerado por muitos o maior jogador da história do clube do Parque Antártica. Nos 16 anos em que vestiu a camisa 10 da equipe, o meio-campista marcou 153 gols – é o 3 maior goleador da história Palmeirense, atrás apenas de Heitor (284) e César Maluco (180).

Porem o destino não reservou uma despedida alegre para Ademir, seu último jogo foi uma derrota por 2 a 1 contra o Corinthians em novembro de 1977. Ademir só jogou meio tempo, pois já se encontrava com problemas respiratórios. Saiu no intervalo e nunca mais voltou. A despedida oficial, no entanto, ocorreu 7 anos depois, em 23 de janeiro de 1984, em um jogo com amigos.

Hoje, dá aulas em escolinhas de futebol. Mantém o mesmo estilo que os torcedores do Palmeiras conhecem muito bem.

Para aqueles que desejam saber mais da historia do jogador fica aqui uma dica: O jornalista Kleber Mazziero de Souza, que escreveu sua biografia intitulada “Divino – A vida e a arte de Ademir da Guia”.

Deixe seu comentário! Dúvidas, críticas ou sugestões enviem  para o email: futesalto@gmail.com ou mande um twit para @futesalto

@karoldayane

Ronaldo maior artilheiro das Copas

O assunto no mundo do futebol esse ano foi Copa do Mundo. O Brasil não teve sucesso na edição de 2010, mais ainda é a Seleção com mais títulos, alem disso o maior artilheiro também nos pertence.

Então a História de Artilheiro hoje será sobre ele: Ronaldo Luís Nazário de Lima.

Hoje jogando pelo Corinthians é conhecido apenas como Ronaldo, mais já foi chamado de Ronaldo Fenômeno e também Ronaldinho, o ultimo surgiu na Copa de 1994, e o apelido de Fenômeno veio durante sua temporada no Barcelona.

Já tivemos um post sobre o Jogador, mais hoje vamos falar sobre o seu maior feito: Jogador que mais marcou em Copas do Mundo.

Com 16 anos estréio no Campeonato Brasileiro, jogando pelo Cruzeiro, isso em 1993, na competição atuou em 14 jogos e fez 12 gols.

Pela Recopa Sul-Americana teve sua primeira grande derrota, o Cruzeiro enfrentava o São Paulo pela final do torneio a disputa foi para os pênaltis e o grande goleiro Zetti defendeu a cobrança do jovem jogador garantindo assim o titulo para o Tricolor do Morumbi.

Em 94, foi artilheiro do Campeonato Mineiro com 21 gols e antes da Copa do Mundo deixou o time, em uma transação de US$ 6 milhões.

Em 1994 foi convocado para a Seleção Brasileira deixando para trás o experiente Evair, não agradou muito o treinador daquela época “Parreira” e foi deixado de lado.

Em 1997 jogou a Copa América e o Brasil foi campeão, marcou 5 gols, depois ajudou o Brasil na conquista da Copa das Confederações, logo então passou a ser o destaque para a Próxima copa do mundo a da França que ocorreria em 1998.

Obvio naquela época foi convocado e os brasileiros depositaram toda sua esperança da conquista do Mundial nos pés de um único jogador: Ronaldo já que  vinha com dois títulos de melhor jogador do mundo na bagagem.

Já atuando pela copa em 7 partidas disputadas marcou 4 vezes: 1 no jogo Brasil e Marrocos (3X0), 2 no jogo Brasil e Chile e 1 no jogo Brasil e Holanda que foi para os pênaltis. Ronaldo conseguiu junto com os demais companheiros levar o Brasil para a grande final e o que todos os brasileiros queriam era a conquista do titulo. Porem horas antes da grande partida Ronaldo teve uma misteriosa convulsão, fora levado ao hospital apenas 75 minutos da partida. Zagallo decidiu então escalar Edmundo, mas 40 minutos antes da partida Ronaldo voltou dizendo que tinha condições de jogo. Na partida mais importante que jogara em sua vida Ronaldo apenas viu os Franceses levarem o titulo pela 1ª vez com um placar de 3X0.

Em 2000 sofreu a lesão que todos nos brasileiros conhecemos bem a história.

Já em 2002 voltou para a seleção e sendo convocado pelo então técnico da seleção Luiz Felipe Scolari, (Felipão). O Brasil fez a seguinte campanha: 2 a 1 com a Turquia, 4 a 0 com a China, 5 a 2 com a Costa. Ronaldo Rica, 2 a 0 frente à Bélgica, 2 a 1 sobre a Inglaterra, e 1 a 0 frente à Turquia. Na final, o Brasil ganhou por 2 a 0 da Alemanha. O Brasil chegou ao Penta, inédito, e igualou a Alemanha em número de finais consecutivas, 3. A final foi entre Brasil e Alemanha. Com 2 gols de Ronaldo, um na falha do goleiro Kahn. Ronaldo disputou 7 partidas e foi o artilheiro com 8 gols.

Em 2006 ele já não estava em grande forma, e disputou 5 partidas, Na Copa, o país apresentou um futebol decepcionante. Ronaldo demonstrou lampejos de craque, marcando três vezes. O terceiro deles, que o fez ultrapassar o alemão Gerd Müller tornar-se, com a soma de 15 gols, o maior artilheiro das Copas do Mundo, o jogador surgiu em bela jogada individual em que driblou o goleiro de Gana. Bom prefiro não comentar o final do Brasil nessa copa, pois a tão famosa revanche contra a Franca não veio e Ronaldo ainda levou um chapéu de Zidane que na ocasião era companheiro de time do jogador no Real Madrid. O Fenômeno foi um dos crucificados pela interrupção do sonhado hexa, não sendo mais chamado pela Seleção desde então.

O alemão Miroslav Klose marcou 14 vezes em copas do mundo e por pouco não ultrapassou o Brasileiro com 32 anos, Klose dificilmente continuará na seleção alemã para a Copa do Mundo de 2014, no Brasil. Em minha opinião o jogador que pode alcançar Ronaldo é David Villa, já marcou 3 gols em 2006 e 5 neste no mundial de 2010, como o jogador vai completar 29 anos tenho certeza que disputara o próximo mundial.

Não vem ao caso falar da atual forma física do jogador esse post é para lembrar a historio de um jogador que ajudou muito a Seleção Brasileira, independente de vitórias e títulos Ronaldo sempre será lembrado pelos grandes feitos na seleção. E o que todos os brasileiros querem saber é: será que algum jogador nacional irá ultrapassar Ronaldo?

Deixe seu comentário! Dúvidas, críticas ou sugestões enviem  para o email: futesalto@gmail.com ou mande um twit para @futesalto

@karoldayane

Nuvem de tags